Paixão e Acaso

Um filme de Domingos Oliveira

Uma história contemporânea e absurda de uma mulher que ama dois homens ao mesmo tempo. E gosta. E a história da psicanalista Inês e seus pacientes. e de seus fantasmas. e de como, mesmo sendo psicanalista, não conseguiu escapar das tramas intrincadas do amor e do acaso.
A psicanalista Inês apaixona-se por dois homens ao mesmo tempo. Talvez pelos poderes mágicos de seu pai Vitor, que aparece como fantasma. Acontece sem que ela e nenhum deles saiba… os dois são pai e filho. Inês tem portanto seus problemas,  enquanto tenta resolver aqueles dos clientes. Em particular Tavares, que está sendo vítima de um suborno profissional e Otavio, pequeno empresário inteiramente dominado pela sua própria agenda.
Essa situação causa risos e lágrimas.

Ficha Técnica

Elenco:
Vanessa Gerbelli
Aderbal Freire Filho
Pedro Furtado
Duaia Assumpção
Clarice Derzie
Camilo Bevilacqua
Fernando Gomes
José Roberto Oliveira
Moisés Bithencourt
Cecilia Lage
Tatiana Muniz
Luiz Machado
Matheus Souza

Direção e roteiro: Domingos Oliveira
Produtoras: Teatro Ilustre e Forte Filmes
Produção Executiva: Renata Paschoal
Direção de Fotografia: Vinicius Brum
Som Direto: Márcio Câmara
Direção de Arte: Fernanda Teixeira
Constanza Córdoba: Yves Moura
Figurinos: Junior Santana
Edição e Mixagem de Som: Bernardo Gebara
Montagem e finalização: Marcelo Pedrazzi

Release

É meu mais recente filme baseado na peça teatral “Turbilhão” montada ano passado no Teatro Sesc Ginástico. Trata-se de uma comédia comovente, como costumo chamar esse tipo de filme que sempre fiz. Algo que oscila, guardadas as proporções de qualidade entre um bom Frank capra e um bom Woody Allen. Esse chama-se “Paixão e Acaso”.
(Há trabalhos que dão certo, outros que tem dificuldades. Outro dia resolvi enumerar para mim mesmo os meus verdadeiros sucessos. Os que deram prestigio e bilheteria. Não são mais que seis ou sete. Dentro de uma obra que inclui cerca de 120 títulos estreados, este numero prova mais uma vez, que não há formula para o sucesso. Mas talvez exista características. Procurei o que havia em comum nesses seis ou sete títulos bem sucedidos. Em principio não descobri nada, nenhuma periodicidade, nada que dependesse de mim.  Uma segunda visão porem, senti que esses seis ou sete trabalhos são os que menos deram dor de cabeça. Aqueles que no final das contas despendi menos esforço!)
“Paixão e Acaso”. Vanessa Gerbelli que lidera o numeroso elenco está esplêndida. Assim como ela todo o elenco parece estar especialmente bem.
É a comedia da Psicanálise, o “In Treatment” do humor. Nos primeiros momentos o narrador (Matheus Souza, escritor e cineasta) define: “ESTA É A HISTÓRIA DE INÊS E SEUS PACIENTES. E DE SEUS FANTASMAS. E DE COMO, MESMO SENDO PSICANALISTA, NÃO CONSEGUIU ESCAPAR DAS TRAMAS INTRINCADAS DO AMOR E DO ACASO.”
A psicanalista Inês (Gerbelli) apaixona-se por dois homens ao mesmo tempo (Aderbal Freire Filho e Pedro Furtado). Os dois são pai e filho, sem que ela e nenhum deles saibam desse parentesco… Talvez pelos poderes mágicos de seu pai Vitor (Camilo Bevilacqua) que é um fantasma.
Inês tem portanto problemas,  enquanto tenta resolver aqueles dos clientes.
Em particular Tavares (Fernando Gomes), que está sendo vitima de um suborno profissional e Otavio (José Roberto Oliveira), ocupadíssimo, inteiramente dominado pela sua própria agenda.  Outros personagens importantes, (Clarisse Derzie Luz, Duaia Assumpção e outros) vivos ou mortos, chegam para complicar ou resolver a intrincada trama.
O absurdo dessa equação conduz as situações que causam muitos risos e, porque não dizê-lo significativas lágrimas. Tudo termina em um happy end suspeito, comentado pelo próprio filme.
A comédia é leve e densa, espirituosa e profunda. Como isso pode ser? Há trabalhos em que tudo é feito sem esforço. Resumindo:
Um típico filme de Domingos Oliveira, diante do qual o espectador não poderá ficar indiferente.

Trailer