Um coração fraco

De Dostoievski - Adaptação de Domingos Oliveira, direção de Priscilla Rozenbaum

Vencedor do Premio Shell de Melhor Cenário.

O espetáculo Um coração fraco trata do amor e da amizade na juventude. A adaptação para o teatro do texto homônimo de (1848) de Fiodor Dostoievski, foi encomendada a Domingos de Oliveira por sua mulher, Priscilla Rozembaum, inaugurando uma nova etapa na parceria do casal: desta vez, Priscilla dirige. “Para que adaptar Dostoievski, se está perfeito no livro? Porque o teatro tem por essência o amor ao outro e é este espírito que flui da direção emocionada que Priscilla faz do texto”, conta Domingos.

Na trama, o jovem Vassia (Caio Blat), pobre e frágil, trabalha em uma repartição pública como copista. Seu companheiro de quarto, Arkaddi (Cadu Fávero) é alto e forte, mas igualmente pobre. A relação que os une é da mais paternal amizade. Na noite de Natal, Vassia se apaixona por Lisanka (Isabel Guéron), uma moça da idade dele e também pobre. Resolvem casar e viver juntos – com a mãe e o irmão dela, menino ainda. E naturalmente, Arkaddi.

Para ganhar um dinheiro extra, Vassia se compromete em preparar para o Ano Novo uma grande quantidade de cópias. A paixão por Lisanka, no entanto, impede que o rapaz tenha qualquer outro pensamento a não ser o amor e a felicidade, e ele acaba por perder o prazo de entrega do trabalho.

Entre a paixão e a tarefa impossível, Vassia ultrapassa suas forças. Passa noites em claro e termina por enlouquecer. Para quem nunca foi feliz, a felicidade é insuportável.

“Talvez Dostoievski seja dos maiores escritores do mundo.Um Coração Fraco é uma novela escrita por ele aos 27 anos, na qual fala de pessoas simples, do amor e da felicidade. Segundo a lenda, as últimas palavras do autor russo para os filhos e netos teria sido: ‘meu amor por vocês é imenso, mas não é nada comparado ao de Deus por suas criaturas’. Diria eu, o imitando: meu amor por Dostoievski é imenso, mas não é nada comparado ao dele por seus personagens” – afirma Priscilla.

Ficha técnica

Adaptação de Domingos Oliveira
Direção de Priscilla Rozenbaum
Com Caio Blat, Cadu Fávero, Isabel Guéron e Sofia Torres
Cenários de Fernando Mello da Costa
Figurinos de Angele Fróes
Iluminação de Maneco Quinderé
Produção Forte Filmes
Realização Teatro Ilustre
Estreou em janeiro de 2011 no Espaço Cultural Sérgio Porto.
Manteve temporada nos Teatro das Artes e SESC Santana SP
Patrocínio: Eletrobrás